-

Aba 1

Postado em 21 de Fevereiro de 2018 às 16h37

Roubos de cargas no Rio de Janeiro causam prejuízos de mais de R$ 600 milhões em 2017

De acordo com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), em 2017, foram registrados 10.599 casos de roubo de cargas, o que equivale a um crime a cada 50 minutos e prejuízo de R$ 607,1 milhões. A região mais afetada é a capital, que concentrou mais da metade das ocorrências do estado.

Com base em números assustadores, Cyro Buonavoglia, presidente da Buonny, a maior gerenciadora de riscos em transportes e logística do Brasil, considera que alguns eixos devem ser trabalhados em conjunto para a redução das estatísticas.

"É preciso integrar todas as informações disponíveis no Brasil, órgãos públicos e privados, para que as Polícias possam atuar organizadas e com inteligência, cada uma dentro de sua jurisdição, visando o trabalho preventivo e atendimento das ocorrências informadas em tempo real. Um importante passo foi dado pelo Governo Federal com a publicação do Decreto 8.614 de 22/12/2015 instituindo a Política Nacional de Repressão ao Furto e Roubo de Veículos e Cargas para disciplinar a implantação do Sistema Nacional de Prevenção, Fiscalização e Repressão ao Furto e Roubo de Veículos e Cargas. O objetivo é integrar informações no Sistema e ações através do Comitê Gestor desta Política, órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa vinculado ao Ministério da Justiça", destaca.

"Além disso, é preciso endurecer a legislação penal relativa ao roubo e receptação de cargas para retirar de cena as quadrilhas especializadas no roubo e também os criminosos receptadores. Estes representam o importante elo nesta cadeia criminosa e devem ser detectados e combatidos com muita inteligência", enfatiza Cyro.

Gerenciar riscos

As tecnologias usadas por gerenciadoras de riscos são ferramentas fundamentais para as operações. De acordo com Cyro, "o importante é começar a gerenciar riscos para analisar e visualizar os benefícios o quanto antes. Inclusive, motoristas autônomos estarão mais protegidos trabalhando em operações e transportes que tenham um PGR – Projeto de Gerenciamento de Riscos acompanhados por uma Gerenciadora de Riscos".

O Projeto de Gerenciamento de Riscos é específico para cada cliente em função do perfil do transporte e viagem. O plano envolve veículo, tecnologia embarcada e de comunicação, redundâncias, macros de segurança, associação de iscas eletrônicas e escoltas, sensores e atuadores necessários, perfil do motorista, treinamentos técnicos e operacionais, origem e destino, roteirização, plano de viagem e jornada do motorista. "Todos estes itens e seus detalhes são criteriosamente parametrizados pelo nosso conhecimento e experiência de mais de 20 anos em gerenciamento de riscos", finaliza Buonavoglia.

Fonte: segs.com.br

ICC Assessoria em Seguros - Seguros em Chapecó De acordo com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), em 2017, foram registrados 10.599 casos de roubo de cargas, o que equivale a um crime a cada 50...

Veja também

O que o consumidor moderno espera do atendimento ao cliente?21/02/18 Por Tom Keiser, COO da Zendesk Os consumidores de hoje são muito diferentes dos de 20, 10 ou 5 anos atrás. E é evidente que a tomada de decisões deles e dos players do mercado também vêm passando por mudanças constantemente. Isso faz com que as empresas enfrentem desafios diários, que vão além dos aspectos técnicos de uma marca, para......
Crise patrocina crescimento do seguro de crédito no Brasil01/06/18 A piora do perfil de crédito corporativo no Brasil, na esteira da recessão, tem contribuído para aumentar a demanda do seguro de crédito, e deve ganhar força nos próximos anos devido a regras regulatórias para bancos, segundo profissionais do setor. Mesmo......
24090201/06/18

Voltar para Notícias